segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Poesia de inverno

Guarda-chuva, meu amigo

Tenho um guarda-chuva
branco e azulinho,
levo-o pela rua
com muito jeitinho.

Quando vou abri-lo
Fica todo assim:
Como o cogumelo
Que está no jardim.

Guarda-chuva, meu amigo,
não me quero constipar.
Deixa-me ir no teu abrigo
até a chuva parar.

O meu guarda-chuva
parece uma onda
varetas brilhantes
e copa redonda. 


Leve dançarino,
se o vento soprar
fica viradinho
de penas p`ro ar. 

1 comentário:

  1. Por aqui costumamos cantá-la com a música da caixinha dos lápis de cor

    ResponderEliminar